Geral Ásia e Pacífico

Beijing continua tentando reescrever a história

Por Da Redação

15/12/2021 às 19:21:58 - Atualizado há

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site The Atlantic

Por Timothy McLaughlin

Sob o esmagamento implacável de Beijing, os tribunais de Hong Kong se tornaram um dos poucos locais seguros para protestos na cidade. Os réus acusados ??ou condenados por crimes políticos transformaram as audiências banais e os pedidos de fiança em oportunidades para expressar dissidência e desafiar o árduo processo legal.

Em meados de novembro, Lee Cheuk-yan, um veterano do movimento pró-democracia, usou sua audiência de mitigação, onde os réus podem se dirigir ao tribunal na esperança de obter uma sentença menor, para fazer um discurso comovente e desafiador. Ele recontou suas memórias do massacre da Praça da Paz Celestial em 1989, exaltou os habitantes de Hong Kong por nunca esquecerem a tragédia e criticou as autoridades municipais por restringirem as liberdades básicas. Lee, que durante décadas ajudou a organizar a vigília anual realizada no Victoria Park de Hong Kong para lamentar a repressão, engasgou ao falar no tribunal.

“Quero agradecer ao povo de Hong Kong que cumpriu a promessa de 1989”, disse ele. “Diante da repressão, eles persistiram, honrando a memória do Massacre de 4 de junho, com sua luz de velas no Victoria Park. Meritíssimo, o povo de Hong Kong que participou não precisou de ninguém ou de nenhuma organização para incitá-lo. Se houve um provocador, é o regime que disparou contra o seu próprio povo”.

“Por 31 anos”, continuou ele, “nossa memória implacável e consciência implacável nos levou a manter a promessa, persistir em honrar sua memória, exigir verdade e responsabilidade e continuar a busca pela liberdade e democracia do povo chinês”.

Vigília em Hong Kong, em 2009, em lembrança ao massacre da Praça da Paz Celestial (Foto: Wikimedia Commons)

No entanto, a memória inflexível da qual Lee falava tem sofrido ataques sustentados neste ano, parte de um esforço mais amplo de Beijing, seus partidários na cidade e uma lista cada vez maior de colaboradores para apagar a Praça da Paz Celestial da memória pública. Armando protocolos de pandemia e ameaças vagas de possíveis violações da segurança nacional, as autoridades cancelaram a vigília anual nos últimos dois anos. Ativistas proeminentes, incluindo Lee, que participaram de reuniões anteriores foram presos. Um museu dedicado à Praça a da Paz Celestial foi fechado abruptamente. Seu conteúdo foi retirado pela polícia como prova contra membros da Aliança de Hong Kong em Apoio aos Movimentos Democráticos Patrióticos da China, que organizou a vigília e dirigiu o museu. O grupo se desfez, como resultado. Insatisfeitos com o fato de os residentes serem apenas fisicamente impedidos de verem suas exibições, as autoridades de Hong Kong também bloquearam o acesso ao site do museu. Uma investigação da Hong Kong Free Press descobriu que dezenas de livros sobre o tema Praça da Paz Celestial desapareceram das bibliotecas da cidade.

Um monumento que escapou do apagamento, por pouco e talvez apenas brevemente, é também o mais proeminente da cidade dedicado à Praça da Paz Celestial, a estátua do Pilar da Vergonha. Um cenotáfio laranja de corpos doloridos e contorcidos, construído como um memorial aos manifestantes mortos no massacre, foi colocado em exibição pública permanente para servir, como escreveu seu criador, Jen Galschiøt, em 1997, como um teste das garantias das autoridades para direitos humanos e liberdade de expressão em Hong Kong”. O pilar foi encenado na Universidade de Hong Kong (UHK), o instituto de ensino superior mais antigo e prestigioso da cidade, em 1998, após ter sido exibido em outros campi.

Por mais de duas décadas, a cidade passou na avaliação de Galschiøt. Estudantes e ativistas se reuniam a cada primavera para lavar cerimonialmente a estrutura, que em sua base diz: “Os velhos não podem matar os jovens para sempre”. O ritual foi o primeiro de uma sequência de eventos realizados todos os anos em Hong Kong para marcar o aniversário do massacre da Praça da Paz Celestial, culminando com a vigília à luz de velas. Agora, porém, o pilar está preso em uma espécie de purgatório – indesejado pela universidade, que tentou removê-lo, mas enfrentou forte resistência, e as tentativas de Galschiøt de recuperá-lo ficaram sem resposta. A situação embaraçosa é representativa da própria cidade, não totalmente subjugada por Beijing, mas não tão livre, aberta ou vibrante como antes.

“Muitas coisas no passado em Hong Kong que eram tratadas como normais e eram uma espécie de símbolo de que Hong Kong ainda desfruta de liberdade e um alto grau de autonomia… agora estão enfrentando desafios,” Richard Tsoi, secretário da agora dissolvida Aliança, me disse.

Protesto em Hong Kong, em outubro de 2019 (Foto: Studio Incendo/Wikimedia Commons)

As tentativas de remover os horrores da Praça da Paz Celestial da consciência popular seguem um esforço em grande escala para reescrever a história mais recente em Hong Kong. As autoridades têm consistentemente tentado distorcer a narrativa do movimento de protesto da cidade, retratando as manifestações como organizadas por um pequeno grupo violento, omitindo visivelmente as ocasiões em que mais de um milhão de pessoas marcharam pacificamente. As razões por trás dos protestos também foram ofuscadas. A culpa, agora dizem as autoridades, recai sobre os Estados Unidos e os preços astronômicos das habitações, não sobre a contínua erosão das liberdades e promessas quebradas de Beijing. A polícia participou de alguns dos atos mais flagrantes de revisionismo histórico, na esperança de que os moradores se esquecessem das ações violentas que testemunharam com seus próprios olhos.

“As autoridades… estão fazendo hora extra para nos ensinar qual é a posição oficial”, disse-me John P. Burns, um professor emérito da HKU e ex-reitor da faculdade de ciências sociais, que escreveu em apoio à manutenção da estátua. “Tornar Hong Kong mais parecido com o resto da China, esse é o nome do jogo”.

Em 1989, os residentes de Hong Kong ficaram horrorizados com Beijing esmagando os protestos na Praça da Paz Celestial. Centenas de milhares de pessoas marcharam no que o The New York Times descreveu como uma “longa fita da humanidade” que se estendia pelas ruas da cidade. A indignação se estendeu para além daqueles que apoiavam a democracia plena. Muitos dos que assinaram petições publicadas denunciando as ações de Beijing e que participaram das manifestações são partidários pró-Beijing hoje. David Ford, então secretário-chefe do território, escreveu em uma carta ao alardeado serviço público da cidade que os residentes sentiram um “profundo sentimento de choque e tristeza” com o que havia ocorrido. As autoridades em Beijing acreditaram então que os protestos da cidade seriam um evento único, de acordo com um ex-funcionário do governo de Hong Kong que pediu anonimato devido à delicadeza do assunto, e que o território voltaria a ser uma cidade puramente “econômica“, cujos habitantes não tinham interesse em política. Essa hipótese – como muitas feitas por Beijing sobre Hong Kong – estava totalmente incorreta. Em vez disso, Hong Kong fomentou uma tradição viva de protestos e manifestações.

A escultura de duas toneladas de Galschiøt foi inaugurada no centro do Victoria Park oito anos após o massacre e 28 dias antes da transferência da cidade para a China em 1º de julho de 1997. Ela acabou sendo realocada para o campus da HKU, e ativistas a pintaram de laranja brilhante em 2008. O artista escreveu na época de sua instalação que “nenhuma proibição da escultura pode diminuir seu valor simbólico. Nenhum ataque, nem mesmo a destruição da escultura, pode obliterar o simbolismo do Pilar da Vergonha”. Um de seus princípios está agora sendo testado: “Nenhuma autoridade jamais conseguirá impedir a construção do Pilar da Vergonha em Hong Kong”.

Após a dissolução da aliança, a HKU tentou remover a escultura, recrutando o escritório de advocacia global Mayer Brown para ajudar. Em um comunicado aos meios de comunicação, Lisa Sachdev, porta-voz da empresa, disse que Mayer Brown foi “convidado a prestar um serviço específico sobre um assunto imobiliário para o nosso cliente de longa data, a Universidade de Hong Kong”. Ela continuou: “Nosso papel como consultora jurídica externa é ajudar nossos clientes a compreender e cumprir a legislação em vigor. Nosso conselho jurídico não se destina a ser um comentário sobre eventos atuais ou históricos”. (A empresa comenta regularmente sobre eventos de notícias dos EUA, no entanto, incluindo a morte de George Floyd e questões de direitos de voto, e Mayer Brown mais tarde cedeu depois que seu envolvimento atraiu considerável imprensa e condenação, dizendo: “Daqui para frente, Mayer Brown não estará representando seu cliente de longa data neste assunto”).

Praça da Paz Celestial após o massacre, em junho de 1989 (Foto: Wikimedia Commons)

Galschiøt contratou seus próprios advogados em um esforço para recuperar a estátua ele mesmo. Ele disse em uma carta aberta neste mês que viajaria a Hong Kong para remover a estátua, mas que precisaria da garantia das autoridades de que não enfrentaria problemas legais. Isso parece altamente improvável porque Galschiøt foi impedido de entrar em Hong Kong em duas ocasiões anteriores. Ele acrescentou que a HKU não respondeu às suas perguntas. A universidade não abordou o conteúdo da carta de Galschiøt e, quando solicitada a comentar, disse apenas que estava trabalhando para resolver o problema de “maneira legal e razoável”.

A HKU e outras universidades do território rapidamente se submeteram à nova ordem política mais autoritária de Hong Kong. Os trabalhadores da manutenção da universidade removeram paredes coloridas de arte de protesto, e a administração cortou os laços com o sindicato dos estudantes e proibiu alguns de seus membros do campus por causa de uma moção sindical expressando simpatia pelo “sacrifício” de um homem que se matou depois de esfaquear um policial em julho. Os estudantes mais tarde se desculparam e retiraram a declaração, mas quatro foram presos sob a lei de segurança nacional e acusados ??de defender o terrorismo.

Burns me disse que, ao se mover para remover a escultura, a universidade está “reconhecendo sua dependência do continente e das autoridades no continente para as coisas que a universidade deseja”. Um professor, que pediu para não ser identificado por medo de repercussões, disse-me que a ameaça de remoção fazia parte de “uma ampla adesão à repressão mais ampla que vimos na mídia, na sociedade civil e no público em geral”, e que a universidade estava em “queda livre em uma instituição terciária totalitária”. Outro professor, que também falou sob condição de anonimato, contou-me que recentemente saiu de seu caminho para andar perto da estátua com colegas para confirmar que ela ainda estava de pé. “Acho o campus muito deprimente”, disse o acadêmico, “por causa de tudo o que não existe mais”.

No tribunal, Lee disse que, mesmo enquanto estava na prisão no início deste ano, depois de ser condenado por seu papel em um protesto de 2019, ele continuou a preservar a memória do dia 4 de junho com jejum e, sem acesso a uma vela, acendendo um único fósforo.

“Tenho orgulho de ser um cidadão de Hong Kong”, disse ele. “Por 32 anos, temos marchado juntos na luta para levar justiça àqueles que colocaram suas vidas em risco em 4 de junho de 1989, e na luta pela democracia.”

No final, ele disse ao juiz que estava em paz com qualquer sentença que pudesse ser proferida: “Se eu tiver que ir para a cadeia para afirmar minha vontade”, disse ele, “então que seja”.

Fonte: A Referência
Comunicar erro
Jornalista Luciana Pombo

© 2022 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Avenida Emilio Jhonson, 323 - sala 4. Centro. Almirante Tamandaré - PR. Fonte: (41) 9 9229-1359.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo