Geral Beijing

Estudo diz que China esconde procedência para evitar boicote ao algodão de Xinjiang

Por Da Redação

28/11/2021 às 11:11:50 - Atualizado há

Uma pesquisa da Universidade Sheffield Hallam, na Inglaterra, afirma que mais de cem empresas em todo o mundo vendem, sem saber, roupas produzidas com algodão da província de Xinjiang, na China. O material é rejeitado por inúmeras empresas devido às suspeitas de uso de trabalho forçado na região. As informações são da rede Voice of America.

O estudo afirma que cinco grandes fornecedores de fios e tecidos chineses usam algodão de Xinjiang, mas criaram uma rota de intermediários que acaba por omitir a procedência. Os produtos são exportados semiacabados para fabricantes intermediários internacionais, que por sua vez enviam produtos finalizados para marcas de todo o mundo. Incluindo dos EUA, que sancionaram o algodão da região e, assim, proíbem sua utilização.

Segundo Laura Murphy, autora do estudo e professora de direitos humanos na universidade, aproximadamente 85% do algodão produzido na China vem de Xinjiang, onde Beijing é acusada de uma série de abusos contra pessoas da etnia uigur. “Por meio desse processo, pudemos mapear as prováveis cadeias de suprimentos que conectam o algodão de Xinjiang a mais de cem marcas internacionais”, afirma o relatório.

Vista aérea de Urumqi, capital da província chinesa de Xinjiang, em julho de 2017 (Foto: WikiCommons/ Anagoria)

O relatório com o resultado da pesquisa afirma, ainda, que algumas instalações nas quais o algodão é processado se “localizam nas proximidades ou dentro de uma prisão ou campo”, referindo-se aos campos de detenção onde os uigures são aprisionados.

Segundo o documento, 52% do algodão, dos fios e tecidos exportados pela China são enviados para 53 fabricantes intermediários em Bangladesh, Sri Lanka, Vietnã, Filipinas, Hong Kong, Indonésia , Camboja, Índia, Paquistão, Quênia, Etiópia e México. É nesses países que as roupas são finalizadas e fornecidas a 103 marcas globais conhecidas. O que leva muitas delas a comprar produtos sancionados sem saber.

Segundo Murphy, a única forma de evitar o erro é rastrear as fontes de matéria-prima através de suas cadeias de abastecimento. “Cadeias de suprimentos complexas podem obscurecer a fonte de matérias-primas”, disse Ela. “Às vezes, os fornecedores podem ocultar suas fontes ou combinar diferentes fontes de algodão”.

Lista de restrições

Em julho, os Estados Unidos acrescentaram 14 empresas chinesas à sua lista de restrições de comércio, sob a alegação de estarem associadas aos abusos cometidos contra a minoria uigur. O Departamento de Comércio alega que as empresas “permitiram a campanha de repressão, detenção em massa e vigilância de alta tecnologia de Beijing contra uigures, cazaques e membros de outros grupos minoritários muçulmanos” na província chinesa de Xinjiang.

Mais recentemente, em outubro, a Universal Eletronics Inc. (UEI), empresa norte-americana que fabrica controles remotos para algumas das gigantes da tecnologia global, admitiu ter firmado um acordo com o governo da província para empregar cerca de 400 pessoas da etnia uigur. Foi o primeiro caso de uma companhia dos EUA suspeita de ligação com um sistema laboral classificado como trabalho forçado.

A China nega as acusações de que comete abusos em Xinjiang e diz que as ações do governo na região têm como finalidade conter movimentos separatistas e combater grupos extremistas religiosos que eventualmente venham a planejar ataques terroristas no país.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, afirma que o trabalho forçado uigur é “a maior mentira do século”. “Os Estados Unidos tanto criam mentiras quanto tomam ações flagrantes com base em suas mentiras para violar as regras do comércio internacional e os princípios da economia de mercado”, disse ele em coletiva de imprensa em janeiro.

Por que isso importa?

A comunidade uigur é uma minoria muçulmana de raízes turcas que habita a região autônoma de Xinjiang, no noroeste da China. A província faz fronteira com países da Ásia Central, com quem divide raízes étnicas e linguísticas.

Os uigures, cerca de 11 milhões, enfrentam discriminação da sociedade e do governo chinês e são vistos com desconfiança pela maioria han, que responde por 92% dos chineses.

Denúncias dão conta de que Beijing usa de tortura, esterilização forçada, trabalho obrigatório e maus tratos para realizar uma limpeza étnica e religiosa em Xinjiang.

Estimativas apontam que um em cada 20 uigures ou cidadãos de minoria étnica já passou por campos de detenção de forma arbitrária desde 2014. O governo chinês admite a existência de tais campos, que abrigam mais de um milhão de pessoas, mas alega que eles servem para educação contraterrorismo.

O governo de Joe Biden, nos EUA, foi o primeiro a usar o termo “genocídio” para descrever as ações da China em relação aos uigures. Em seguida, Reino Unido e Canadá também passaram a usar a designação, e mais recentemente a Lituânia se juntou ao grupo.

Fonte: A Referência
Comunicar erro
Jornalista Luciana Pombo

© 2022 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Avenida Emilio Jhonson, 323 - sala 4. Centro. Almirante Tamandaré - PR. Fonte: (41) 9 9229-1359.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo