Política ? Manchete Ilustrada

Desastre climático no RS impacta a vida de mais de 2,5 milhões de pessoas, aponta Fiocruz

O desastre climático no Rio Grande do Sul impactou de alguma forma mais de 2,5 milhões de pessoas e deixou 1,3 milhão de residências em zonas de risco.

Por Da Redação

21/05/2024 às 18:51:39 - Atualizado h√°

O desastre climático no Rio Grande do Sul impactou de alguma forma mais de 2,5 milhões de pessoas e deixou 1,3 milhão de residências em zonas de risco. É o que aponta nota técnica elaborada por pesquisadores do Observatório de Clima e Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz).

No documento “As inundações no Rio Grande do Sul, seus impactos imediatos e suas possíveis consequências sobre a saúde da população”, os pesquisadores revelam também que as chuvas e enchentes atingiram mais de 3 mil estabelecimentos de saúde — hospitais, postos de saúde, farmácias e clínicas particulares.

“Tentamos fazer um diagnóstico da situação de saúde e os primeiros impactos. Precisamos entender qual é o nível de desassistência da população e como ficou a estrutura de atendimentos de saúde. É preciso pensar que há portadores de doenças crônicas, por exemplo, que precisam de atendimento contínuo, e com problemas de saúde que podem se agravar”, explica o pesquisador Diego Xavier.

O mapeamento do desastre climático foi feito com base no cruzamento de diversos bancos de dados. Os pesquisadores analisaram as manchas de inundação obtidas por imagens de radar e de satélite e verificaram os estabelecimentos e territórios localizados nessas áreas, usando dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, do Instituto Brasileiro de Gerografia e Estatítica (IBGE), da Fundação Palmares e Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), entre outros.

Desastre impactou mais de 3 mil estabelecimentos de saúde (Agência Brasil)

Desastre traz doenças

De acordo com a pesquisadora Renata Gracie, o objetivo principal do trabalho é subsidiar ações do poder público e da sociedade civil, tanto neste momento quanto em momentos futuros, na reconstrução e recuperação das áreas atingidas.

Renata Gracie alerta ainda que será necessário um cuidado cada vez maior com a saúde das pessoas, que poderão apresentar doenças de pele, viroses e outras enfermidades relacionadas ao contato com a água suja e com microrganismos. Para que o estado possa atender as pessoas é importante saber os equipamentos de saúde que estão disponíveis e os que foram atingidos.

“A gente vai ter uma questão complexa por conta das doenças. Muitas unidades de saúde foram inundadas, e as pessoas não vão conseguir ter acesso a elas. Então, esse sistema serve para os gestores municipais e estaduais olharem o tamanho do que foi impactado, fazer um diagnóstico de situação”, explica a pesquisadora.

Favelas e quilombos

A nota técnica também destaca a situação das populações mais vulneráveis: 240 favelas, 40 comunidades quilombolas e cinco aldeias indigenas estão em contato direto com as areas de inundação. O desastre deste ano já é o pior da história do estado: até 13 de maio de 2024 foram contabilizadas 161 mortes, contra 104 mortes em 2023.

“Essa situação evidencia a necessidade de uma estratégia de saúde pública robusta, que deverá abordar tanto as demandas imediatas durante um desastre quanto o fortalecimento da resiliência das infraestruturas de saúde para futuros eventos. Investimentos em melhorias físicas, treinamento de pessoal para respostas rápidas e sistemas de comunicação eficientes serão vitais para assegurar a integridade da saúde pública”, diz a nota.

Com informações das agências Fiocruz e Brasil

Leia também:

 

Comunicar erro
Jornalista Luciana Pombo

© 2024 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Ajude financeiramente a mantermos nosso Portal independente. Doe qualquer quantia por PIX: 42.872.330/0001-17

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo
Acompanhantes GoianiaDeusas Do Luxo