Política ? Mais Lidas

O poema de Cecília Meireles sobre o medo da morte que é uma ode à vida

Hoje publicamos no portal ICL Notícias uma poesia de Cecília Meireles, nesta seção que resgata textos, imagens e sons que façam o leitor dar uma pausa na marcha imediata e angustiante dos fatos para refletir com autores geniais do Brasil e de outros países.

Por Da Redação

02/03/2024 às 23:06:58 - Atualizado h√°

Hoje publicamos no portal ICL Notícias uma poesia de Cecília Meireles, nesta seção que resgata textos, imagens e sons que façam o leitor dar uma pausa na marcha imediata e angustiante dos fatos para refletir com autores geniais do Brasil e de outros países.

Cecília nasceu em 1901 no Rio de Janeiro e viveu até os 63 anos. Ela disse em sua última entrevista – ao jornalista Pedro Bloch, publicada em maio de 1964 na revista Manchete – que seu vício terrível era gostar de gente.

Teve sua infância marcada por perdas profundas. Seu pai e sua mãe morreram quando ela ainda era criança. Morte prematura também tiveram seus irmãos Carlos, Vítor e Carmen. Cecília foi criada por sua avó Maria Jacinta Benevides, açoriana, personagem recorrente em sua obra.

Sua maior tragédia ainda estaria por vir: o suicídio de seu marido, o ilustrador português Fernando Correia Dias, fato que transformaria a visão de mundo da poeta. Correia Dias suicidou-se em casa, em 1935, enquanto as filhas se preparavam para os festejos do Dia da Bandeira.

"Há muitas mortes por detrás dessa morte. E não foi apenas um suicídio: foi também um assassinato. Posso eu viver muito tempo; pode minha existência tomar os mais inesperados rumos – mas essa noção da inutilidade humana; esta indiferença pela esperança, este desapego da lógica farão de mim cada vez mais uma criatura sem raízes na terra, prescindindo de tudo e à mercê dos casos que a queiram transportar", escreveu a poeta a Diogo de Macedo, amigo português. (Carta publicada pela revista Terceira Margem, Porto, Portugal, 1998).

Foi poeta, jornalista, cronista, escreveu para crianças, foi professora. Também esteve engajada na defesa de uma educação pública, laica e de alto nível como caminho para diminuir as desigualdades sociais do país.

O poema Cântico VI é do livro Cânticos (1927), publicado quando Cecília tinha 26 anos.

 

Órfã aos 3 anos e meio, Cecília Meireles perdeu também os irmãos e voltou ao tema da morte muitas vezes em sua obra

Cântico VI (Cecília Meireles)

Tu tens um medo: acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo dia.
No amor.
Na tristeza
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então serás eterno.
Não ames como os homens amam.
Não ames com amor.
Ama sem amor.
Ama sem querer.
Ama sem sentir.
Ama como se fosses outro.
Como se fosses amar.
Sem esperar.
Tão separado do que ama, em ti,
Que não te inquiete
Se o amor leva à felicidade,
Se leva à morte,
Se leva a algum destino.
Se te leva.
E se vai, ele mesmo…
Não faças de ti
Um sonho a realizar.
Vai.
Sem caminho marcado.
Tu és o de todos os caminhos.
Sê apenas uma presença.
Invisível presença silenciosa.
Todas as coisas esperam a luz,
Sem dizerem que a esperam.
Sem saberem que existe.
Todas as coisas esperarão por ti,
Sem te falarem.
Sem lhes falares.
Sê o que renuncia
Altamente:
Sem tristeza da tua renúncia!
Sem orgulho da tua renúncia!
Abre as tuas mãos sobre o infinito.
E não deixes ficar de ti
Nem esse último gesto!
O que tu viste amargo,
Doloroso,
Difícil,
O que tu viste inútil
Foi o que viram os teus olhos
Humanos,
Esquecidos…
Enganados…
No momento da tua renúncia
Estende sobre a vida
Os teus olhos
E tu verás o que vias:
Mas tu verás melhor…
… E tudo que era efêmero
se desfez.
E ficaste só tu, que é eterno.

Comunicar erro
Jornalista Luciana Pombo

© 2024 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Ajude financeiramente a mantermos nosso Portal independente. Doe qualquer quantia por PIX: 42.872.330/0001-17

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo