Política

Em audiência na CE, debatedores divergem sobre viabilidade da educação domiciliar

Por Da Redação

28/06/2022 às 02:05:14 - Atualizado h√°

Em audiência pública promovida pela Comissão de Educação (CE) na tarde desta segunda-feira (27), os debatedores divergiram sobre a viabilidade da educação domiciliar. Enquanto os defensores da ideia destacaram o direito dos pais educarem os filhos da forma que considerarem mais adequada, os críticos apontaram que o homeschooling pode prejudicar o desenvolvimento social da criança.

O debate atendeu aos requerimentos dos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Flávio Arns (Podemos-PR), relator do projeto que trata do assunto (PL 1.338/2022). Segundo Flávio Arns, que presidiu o encontro, a audiência é importante para que os senadores conheçam os argumentos favoráveis e contrários ao homeschooling e, assim, tenham melhores condições de deliberar sobre a matéria.

— Qualquer projeto que passe pelo Congresso Nacional é sempre objeto de debates, particularmente quando a matéria traz polêmicas. Então é natural [que existam] opiniões favoráveis e contrárias — registrou o relator, ao lembrar que haverá mais cinco audiências sobre o projeto.

Na visão da senadora Zenaide Maia (Pros-RN), os debates são relevantes para embasar a posição dos parlamentares. Ela disse que a escola é importante para a socialização das crianças. Para a senadora, porém, o homeschooling não deveria ser considerado um assunto urgente. A busca de um ensino de qualidade e integral, a recuperação das perdas durante a pandemia do coronavírus e a facilitação do acesso às escolas são temas que deveriam ser entendidos como prioridades no país, de acordo com Zenaide. Ela também pediu mais atenção com os alunos com deficiência e lembrou que o país tem 33 milhões de pessoas passando fome.

— O homeschooling não é prioridade. A verdade é que a gente deveria estar discutindo mais recursos para o Fundeb. A gente sabe que o que precisa é recurso. Precisamos investir mais em educação pública — defendeu a senadora.

Para o senador Izalci Lucas (PSDB-DF), a série de audiências é importante para debater e refletir sobre o assunto. Ele disse que já participou de debates sobre o tema em outros lugares, mas era a primeira vez que acompanhava um audiência com esse assunto no Senado. Segundo o senador, “não dá pra enfrentar a votação de uma matéria como essa sem entender os pontos e os contrapontos”.

— Temos de tomar uma posição bem consciente, pois o que está em questão é a vida das crianças — afirmou Izalci.

Direito

A procuradora da República Mona Lisa Duarte Ismail lembrou que a educação é um direito fundamental garantido na Constituição. Ela apontou que a educação é também um dever do Estado, da família e de toda a sociedade. Segundo a procuradora, o direito interno do Brasil estabelece a educação com base no interesse superior da criança e não no dos pais ou dos responsáveis. Ela destacou que o Supremo Tribunal Federal (STF) já reconheceu o homeschooling como constitucional em setembro de 2018, desde que regulamentado por lei federal — o que ainda não ocorreu. Hoje, segundo Mona Lisa, o homeschooling pode ser considerado ilegal no país. De acordo com a procuradora, a prática da educação domiciliar é proibida na Alemanha — sob o argumento do risco do surgimento de sociedades paralelas com base em opiniões filosóficas e religiosas. Ela acresentou que o Tribunal Espanhol também declarou o homeschooling inconstitucional.

Na opinião da procuradora, os pais têm o direito de escolher a escola mais próxima de suas convicções religiosas e filosóficas e também têm o direito de passar seus valores particulares a seus filhos, mas tudo isso pode ser feito sem a retirada da criança de uma escola regular. Ela ainda manifestou preocupação com a capacidade pedagógica dos pais, o que poderia comprometer o crescimento intelectual da criança, e com a exclusão educacional, já que apenas classes mais privilegiadas teriam condição de assumir esse tipo de ensino. Mona Lisa afirmou ainda que somente a escola é capaz de fornecer visões alternativas e diversas, além de possibilitar ao estudante a convivência com a diversidade e o respeito ao diferente.

— A transmissão do conhecimento não é o único objetivo da escola, que visa também a socialização da criança e seu pleno desenvolvimento para a cidadania e para a vida democrática — declarou.

Para o professor Salomão Barros Ximenes, da Universidade Federal do ABC, é preciso “enfrentar” a decisão do STF. Ele disse que é preciso respeitar as decisões da Justiça, mas apontou que não existe a imposição de uma decisão sobre o assunto por parte do Congresso Nacional. Ximenes disse que o tema é complexo e demanda um debate profundo, dispensado o senso de urgência. Segundo a interpretação do professor, o projeto carrega “uma armadilha retórica”, ao relativizar a obrigatoriedade escolar na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB – Lei 9.394, de 1996), desde que cumpridos determinados requisitos. Ximenes também disse que o projeto não trata do assunto na direção correta, ao desconsiderar os custos e os critérios para a implementação dessa modalidade de ensino. Ele fez questão de ressaltar que sua posição não significa desrespeitar o direito dos pais em suas escolhas.

— Este projeto tem o potencial gigantesco para abrir uma porta para a insegurança jurídica e para desrespeitar minorias da nossa sociedade — alertou o professor.

Espaço

Para Mônica Rodrigues Dias Pinto, representante do Fundo das Nalções Unidas para a Inf√Ęncia (Unicef), o projeto traz preocupação por tratar do tema de forma genérica e não para casos específicos. Mônica Pinto destacou que, nos últimos dois anos, por conta da pandemia do coronavírus, foram registrados aumentos significativos de casos de abuso contra crianças e de alunos de seis e sete anos com extrema dificuldade para leitura básica. Na opinião da representante da Unicef, a prioridade do país deveria ser buscar meios de recuperar essas perdas. Ela também lembrou do dever do Estado e das famílias em prover escola para os estudantes — que por sua vez têm o direito à educação de qualidade. Segundo Mônica Pinto, para além de ser um espaço de conhecimento, a escola é também um espaço que viabiliza a ação em casos suspeitos de ameaças às crianças.

— Nos países desenvolvidos, que têm bem-estar social, as crianças têm no mínimo 12 anos de escolaridade básica. Não se fala em desenvolvimento de crianças e adolescentes sem frequentar a escola — argumentou.

O professor Daniel Cara, da Faculdade de Educação da USP, afirmou que o prejuízo maior na educação domiciliar é o do quociente de inteligência. Para o professor, a questão pedagógica deve ser o eixo central do debate sobre o assunto. Cara citou algumas pesquisas para apontar que o homeschooling seria prejudicial para o desenvolvimento intelectual das crianças. Ele reconheceu a import√Ęncia das tecnologias de informação, mas disse que algumas pesquisas demonstram que esses recursos têm obstruído o contato entre os estudantes como vetor de incentivo à aprendizagem.

— O espaço da escola é decisivo para o aprendizado dos estudantes. É o que a ciência da educação demonstra — argumentou Cara.

Na mesma linha, a coordenadora Jurídica da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme), Galdina de Sousa Arraes, afirmou que conviver é uma forma de construir laços. Ela defendeu a escola como um espaço de socialização e convivência e afirmou que a criança é um sujeito de direito. Para Galdina Arraes, o homeschooling pode privar o estudante desse crescimento pessoal e social. Ela disse que o mundo não se resume ao domicílio e apontou a escola como um espaço para “aprender, construir e se relacionar”.

Regulamentação

O presidente da Associação Nacional de Educação Domicilar (Aned), Ricardo Iene Dias, informou que mais de 60 países de governos de diferentes linhas ideológicas já reconhecem o homeschooling como um direito dos pais. Segundo Ricardo Dias, esse reconhecimento é fruto da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que aponta a prioridade dos pais na escolha da forma de educar seus filhos. Ele disse que a lei que proíbe a educação domiciliar na Alemanha remonta aos tempos de Adolf Hitler. De acordo com Dias, os países que adotam o homeschooling estão entre os que registram os melhores índices de educação no planeta.

— Os que acusam a educação domiciliar de ser ideológica não sabem que é exatamente o contrário. Quem se opõe tem a ideologia de ser contra as famílias. Precisamos de mais honestidade intelectual para debater — registrou.

Para Dias, o pluralismo previsto na Constituição garante a possibilidade de o homeschooling conviver com as escolas regulares. Ele também apontou que as famílias que adotam a educação domicilar estão em um “limbo jurídico” desde o reconhecimento da modalidade pelo STF, há quatro anos. Dias cobrou a regulamentação da matéria pelo Congresso, ao registrar que a demanda pelo homeschooling tem registrado alto crescimento no país. Conforme ele informou, eram 7,5 mil famílias adeptas da prática em 2018. Hoje, esse número ultrapassa as 35 mil. Ele ainda lembrou que estados como Santa Catarina e Paraná, e também o Distrito Federal, já aprovaram a modalidade.

O escritor Alexandre Magno Fernandes Moreira, autor do livro Direito à Educação, alertou para o perigo da “leitura ideológica”, que poderia causar uma interpretação errada acerca do homeschooling. Ele disse que a educação domiciliar é um fenômeno que está presente em todo o mundo e tem sido objeto de várias pesquisas científicas. Segundo o autor, não é uma discussão “em tese, mas de casos concretos”. Ele citou os Estados Unidos como exemplo de educação domiciliar de qualidade e disse que não existem controvérsias sobre o assunto em países como Bélgica, Itália e Finl√Ęndia, em que o modelo é regulamentado. Para o escritor, a regulamentação e a fiscalização do homeschooling deveriam interessar principalmente ao poder público, para que as famílias que adotam essa prática não fiquem invisíveis.

— Por que esse medo da educação domiciliar? É do interesse das crianças que esse fenômeno fique invísivel para o Estado? — questionou.

A assessora especial do Ministério da Educação, Inês Augusto Borges, disse que a pasta tem trabalhado em várias frentes para fortalecer a educação no país. Uma dessas frentes é a educação domiciliar. Ela defendeu a regulamentação da modalidade, por meio do projeto que está em análise na comissão, como forma de dar segurança jurídica para as famílias que a adotam. Inez Borges ainda afirmou que, ao contrário do que se acredita, há uma socialização intensa no homeschooling. Segundo a assessora há registros de grupos que programam econtros semanais, com crianças trocando impressões sobre suas produções textuais.

— O ministério está atento para oferecer uma educação de qualidade ao país. E isso inclui aquelas famílias que decidiram, legitimamente, pela educação domiciliar. A regulamentação pode garantir esse amparo — afirmou a assessora.

Interativa

Flávio Arns agradeceu a disposição dos debatedores, destacou que alguns caminhos convergentes foram detectados e apontou que um debate tem o mérito de registrar opiniões diversas. Ele também lembrou que a audiência foi realizada de forma interativa, com a possibilidade de participação popular, e registrou algumas mensagens que chegaram por meio do portal e-Cidadania. O internauta Marcos Vinícius, do Rio de Janeiro, manifestou preocupação com o preparo dos lares brasileiros para o homeschooling. Arícia Maria, do Distrito Federal, questionou o alcance da modalidade. De Santa Catarina, Flávia Resende disse que os pais têm o direito de escolher a modalidade de educação para seus filhos. Já Luan Felipe, do Rio de Janeiro, afirmou que o Brasil não tem estrutura para esse tipo de ensino.

Comunicar erro
Jornalista Luciana Pombo

© 2022 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Ajude financeiramente a mantermos nosso Portal independente. Doe qualquer quantia por PIX: [email protected] / 42.872.330/0001-17

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo