Geral Destaque

Vida após Putin: o que acontece se o presidente da Rússia morrer?

Por Da Redação

26/06/2022 às 14:50:38 - Atualizado há

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no jornal independente The Moscow Times

Por Tatiana Stanovaya

Durante anos, os observadores especularam sobre qual doença fatal aflige o presidente russo Vladimir Putin. Mas, nos últimos meses, essa discussão virou uma bola de neve. Câncer de pâncreas, câncer de tireóide, câncer de sangue ou problemas nas costas de longa data? Verdade ou não, esses rumores forçaram todos a pensar seriamente sobre o que aconteceria se Putin fosse embora.

A oposição tende a acreditar que, se Putin sair, seu regime irá com ele e haverá uma chance de uma “nova perestroika”. Os conservadores acham que este momento seria uma chance de apertar os parafusos. 

De qualquer forma, há uma profunda incerteza sobre o que – e quem – viria a seguir.

A Constituição da Rússia não especifica o que acontece se o presidente morrer enquanto estiver no cargo, apenas mencionando a possibilidade de “razões de saúde” que significam que o presidente não pode mais exercer seus poderes. No entanto, na prática, o procedimento é o mesmo que para uma demissão.

Na situação atual, a questão da preparação é fundamental: a saída de Putin será repentina e inesperada, ou ele terá tempo de nomear um sucessor?

Se um sucessor for conhecido com antecedência, as elites terão menos espaço de manobra. Quanto mais tempo houver, mais gerenciável será a transferência de energia. Se o apoio a Putin permanecer relativamente estável, Putin e seu sucessor terão um capital político considerável à sua disposição – o que podemos chamar de “a ideologia do Putinismo”. Até agora, essa ideologia garantiu um regime estável.

Presidente Vladimir Putin no Dia da Vitória, 9 de maio, em Moscou (Foto: en.kremlin.ru/)

No entanto, se Putin deixar o cargo de presidente de repente e sem ter tido tempo de preparar um sucessor, tudo se torna muito mais imprevisível. Muito dependeria de fatores além do controle de Putin, e o papel da elite seria muito mais significativo.

De acordo com a Constituição, o primeiro-ministro torna-se presidente interino no caso de o presidente não poder fazer seu trabalho. Mas os poderes do presidente interino são limitados: ele não pode dissolver a Duma do Estado, convocar um referendo ou propor revisões constitucionais.

O status de “presidente interino” parece um ponto de partida ideal para um potencial sucessor, razão pela qual muitos observadores acreditam que uma transferência de poder começaria com a nomeação de um novo primeiro-ministro. 

Apesar de todos os seus méritos, é improvável que Putin veja o atual primeiro-ministro Mikhail Mishustin como seu sucessor. Mishustin não é próximo o suficiente de Putin e foi incapaz de se tornar mais do que um tecnocrata político. Mesmo que algo aconteça com Putin amanhã e Mishustin se torne presidente interino, isso não o torna automaticamente o candidato favorito para vencer uma eleição presidencial subsequente (porque ele não foi escolhido por Putin).

De fato, se Mishustin fosse subitamente colocado na posição de presidente interino sem preparação adequada, ele estaria em uma situação muito difícil. Ele seria dependente da administração presidencial, e quaisquer grandes decisões políticas independentes, ou mudanças de pessoal no governo, certamente causariam conflito.

O procedimento constitucional exato em caso de morte do presidente é que o Conselho da Federação tem 14 dias para convocar eleições presidenciais (a votação deve ocorrer dentro de três meses após o término dos poderes do presidente). Se o Conselho da Federação não convocar eleições a tempo, cabe à Comissão Eleitoral Central.

Se não houver um sucessor nomeado, o papel das instituições formais cresceria, juntamente com as oportunidades para a elite desempenhar um papel. Neste momento, as principais instituições de poder funcionam como partes do regime informal de Putin. Mas, se Putin saísse sem um sucessor, eles se tornariam canais para os interesses de grandes corporações, os serviços de segurança, a liderança do partido Rússia Unida e associados e amigos influentes de Putin.

Mikhail Mishustin, primeiro-ministro da Rússia: sucessor interino de Putin (Foto: Wikimedia Commons)

Uma intensa luta por alavancas oficiais de influência começaria rapidamente – e a questão-chave seria se as elites seriam capazes de chegar a um acordo sobre um sucessor.

O surgimento ou não de um consenso dependeria de muitos fatores. Mas, acima de tudo, do próprio estado do Putinismo. Hoje, quando o governo tem índices anormalmente altos, a população está mobilizada e a oposição, silenciada, a chance de que as elites cheguem a um acordo – ou melhor, que uma parte da elite imponha com sucesso sua escolha – é alta. As forças conservadoras, principalmente os “siloviki”, provavelmente tomariam a iniciativa, o que significa que o regime subsequente seria mais violento, mais agressivo, mais repressivo e ainda mais radicalmente intransigente. Goste ou não, esse tipo de visão de mundo está muito mais de acordo com a opinião pública russa no momento do que uma agenda de modernização ou reforma.

Mas, se Putin sair quando o bloco pró-guerra estiver enfraquecido, quando houver menos apoio político ao regime, níveis mais altos de descontentamento e mais problemas econômicos, então os “siloviki” terão menos espaço de manobra e a voz dos modernizadores e grandes negócio será mais forte. Se isso acontecer, a escolha de um sucessor seria um processo muito mais conflituoso.

De qualquer forma, muito dependeria da natureza do mainstream político. Quanto mais “saudável” for a ideologia antiocidental, antiliberal e conservadora quando Putin se livrar dessa bobina mortal, mais provável será que a elite se esforce para manter as coisas como estão – ou apertar os parafusos. Mas, se as coisas estão desmoronando política e economicamente, o descontentamento geral estiver aumentando, a oposição sistêmica conseguiu reviver e o Putinismo for uma ideia em decadência, as chances de a Rússia acabar com um presidente reformador – ainda que fraco – são muito maiores .

Simplificando, dado o atual ambiente político na Rússia, quanto mais cedo Putin cair morto, maiores serão as chances de uma revanche conservadora. 

Fonte: A Referência
Comunicar erro
Jornalista Luciana Pombo

© 2022 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Ajude financeiramente a mantermos nosso Portal independente. Doe qualquer quantia por PIX: [email protected] / 42.872.330/0001-17

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo