Sa√ļde Lifestyle

Masturbação: os mitos em que tem de parar de acreditar

Por Da Redação

26/05/2022 às 21:32:46 - Atualizado h√°

Sendo maio o mês da masturbação, a Satisfyer desmistifica alguns mitos.

A masturbação, estando em uma relação, é errada

Há frequentemente um estigma em torno da masturbação quando se está numa relação, acreditando que esta não é necessária, ou que de alguma forma está errado. "A masturbação é frequentemente vista como um refúgio sexual para solteiros ou solteiras, para compensar a falta de sexo, mas a investigação confirmou, em todos os gêneros, que uma relação sem sexo acaba por diminuir também a masturbação", refere a Satisfyer , destacando que a chave para uma boa relação sexual é a comunicação "e para sabermos o que comunicar, para sabermos o que queremos e o que gostamos, o conhecimento do nosso corpo é essencial.

A masturbação diminui a sensibilidade

Outro mito é que, com a prática recorrente da masturbação, o clítoris ou pênis ficarão sem sensibilidade e não será possível desfrutar dos orgasmos. Um estudo divulgado pelo Journal of sexual medicine garante que a utilização de um vibrador aumenta a sensibilidade e melhora a função sexual, tornando o corpo mais suscetível de usufruir dos orgasmos.

A masturbação à noite perturba o sono

Muito pelo contrário. Quando temos um orgasmo, estamos proporcionando ao nosso corpo um impulso neuroquímico. A oxitocina, 'o hormônio do amor', é produzido, o que causa uma sensação de calor e ajuda a induzir o relaxamento. Ao combinar isto com a serotonina, prolactina e norepinefrina, também libertadas para ajudar a levar o corpo a um estado de descanso profundo durante toda a noite, contribuímos para uma boa noite de sono.

A masturbação não tem benefícios comprovados para a saúde

Os muitos benefícios incluem um aumento da circulação no corpo e a tonificação dos músculos do pavimento pélvico, o que pode contribuir de forma positiva para problemas como a incontinência, além da autoestima. Uma ejaculação masculina mais frequente reduz em 31% o risco de c√Ęncer de próstata. A masturbação pode ajudar a prevenir a constipação e a reforçar o sistema imunológico. As pessoas que têm orgasmos mais frequentemente têm níveis elevados de leucócitos, que são os glóbulos brancos que ajudam a proteger o corpo das doenças.

Com os orgasmos vem também a libertação de DHEA, um hormônio natural anti-envelhecimento que não só ajuda com o aspecto da pele como apoia a saúde e imunidade do cérebro.

Por último, mas não menos importante, os orgasmos estão associados à longevidade, e está provado que ajudam a viver mais tempo com uma redução de 50% na mortalidade global. A masturbação é literalmente um dos melhores recursos para explorar o potencial da cura natural do próprio corpo.

Comunicar erro
Jornalista Luciana Pombo

© 2022 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Ajude financeiramente a mantermos nosso Portal independente. Doe qualquer quantia por PIX: [email protected] / 42.872.330/0001-17

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo