Política Colunistas ICL

Pai de Milei fez fortuna com milhões em subsídios públicos do Kirchnerismo

Por Iván Ruiz (CLIP), Hugo Alconada Mon e Ricardo Brom (La Nación), Emilia Delfino (elDiarioAR), Mariel Fitz Patrick e Sandra Crucianelli “Eu odeio o Estado”, repetiu o presidente argentino Javier Milei, uma frase que ele usou durante a última campanha eleitoral e que define sua “ideologia libertária”.

Por Da Redação

05/06/2024 às 15:40:49 - Atualizado h√°

Por Iván Ruiz (CLIP), Hugo Alconada Mon e Ricardo Brom (La Nación), Emilia Delfino (elDiarioAR), Mariel Fitz Patrick e Sandra Crucianelli

“Eu odeio o Estado”, repetiu o presidente argentino Javier Milei, uma frase que ele usou durante a última campanha eleitoral e que define sua “ideologia libertária”. Mas a história de sua família tem um capítulo até então desconhecido de milhões em ajuda estatal às empresas de transporte administradas por seu pai entre 2003 e 2007. Anos depois, Karina Milei, irmã do presidente e seu braço direito no governo, colheu os benefícios da fortuna da família ao receber um apartamento como herança do pai.

Norberto Milei, pai do presidente, foi presidente e acionista da Rocaraza SA e da Teniente General Roca SA, duas empresas de ônibus que operam na área metropolitana de Buenos Aires. A Secretaria de Transportes da Argentina distribuiu subsídios estatais a essas duas empresas no valor de pelo menos US$ 33 milhões entre 2005 e meados de 2007, de acordo com centenas de planilhas da agência analisadas pelo La Nación e pelo elDiarioAR, em uma investigação coordenada pelo Centro Latino-Americano de Jornalismo Investigativo (CLIP).

“Meu pai começou como motorista de ônibus. O dono do ônibus o deixava trabalhar para ele nos feriados, então minha mãe o acompanhava com uma garrafa térmica de café e uma caneta preta”, ironizou Milei, durante uma entrevista na televisão quando estava apenas começando sua carreira política. Há alguns dias, no entanto, Javier Milei voltou a se referir às aventuras de seu pai, embora em um tom diferente. Do palco do estádio Luna Park, o presidente repreendeu seu pai, que agora tem 81 anos: “Pai, você e seus negócios… o que está fazendo!”

“Beto” Milei, como todos o conhecem no mundo dos transportes, deixou de dirigir um ônibus na década de 1970 para ser acionista e presidente de três empresas, sendo a principal delas a empresa Francisco de Viedma SA desde 2001. O pai do presidente argentino controlava a empresa Teniente General Roca SA, que, por sua vez, possuía metade das ações da Rocaraza SA.

Balanço da empresa Rocaraza SA no exercício de 2005 onde detalha o dinhero recebido como subsidio estatal

O salto do ônibus para o escritório foi impressionante: só a Teniente General Roca chegou a ter uma frota de 115 ônibus, de acordo com os registros da empresa. O papel de Norberto Milei foi preponderante nesse conglomerado: ele presidiu as empresas entre 2001 e 2007. Além disso, durante os primeiros anos, ele também era o acionista majoritário, de acordo com dezenas de balanços dessas três empresas que foram analisados para esta investigação. As empresas operavam as linhas de ônibus 21, 31, 108 e 146, que transportavam milhares de pessoas em Buenos Aires de norte a sul e de leste a oeste.

Mas o transporte de passageiros sofreu com a grande crise da Argentina em 2001. Após a queda do presidente Fernando de la Rúa e uma forte desvalorização, o estado nacional congelou as tarifas e, em troca, começou a distribuir subsídios que permitiram, com altos e baixos, manter a atividade e, em alguns casos, embolsar lucros fabulosos.

Nesse contexto, o Ministério dos Transportes distribuiu subsídios à Teniente General Roca e à Rocaraza, as empresas administradas pela Milei, no valor de pelo menos US$ 33 milhões (de acordo com as taxas de câmbio então em vigor) entre 2005 e meados de 2007. O valor é derivado de centenas de planilhas em PDF que a agência publicou mês a mês em seu site com o valor detalhado do auxílio por empresa, que foram analisadas para esta investigação. O auxílio estatal foi fundamental para que Norberto Milei consolidasse sua fortuna.

Os subsídios foram uma tábua de salvação para a Teniente General Roca, que havia entrado com pedido de falência em 2 de abril de 2002 no Tribunal Comercial nº 14 da Cidade de Buenos Aires, de acordo com os balanços. Três anos mais tarde, em 2005, a empresa assinou o acordo para pagar sua dívida enquanto recebia milhões em auxílio estatal.

As empresas, no entanto, informaram ter recebido quantias menores de subsídios nos balanços que apresentaram à Inspetoria Geral de Justiça, com a assinatura do pai do presidente argentino. As empresas declararam subsídios públicos de cerca de US$ 10 milhões entre 2003 e 2007, apenas um terço do que mostram as listas da Secretaria de Transportes. La Nación, elDiarioAR e CLIP solicitaram repetidamente ao Ministério dos Transportes informações históricas sobre os subsídios, mas o Ministério forneceu dados incompletos, apesar de duas solicitações de acesso a informações públicas e repetidas conversas com o porta-voz do Ministério.

“Beto” Milei vendeu sua participação acionária em meio a essa chuva de subsídios em 2006, mas continuou como executivo do conglomerado até meados de 2007. Não se sabe ao certo o que aconteceu com aproximadamente US$ 23 milhões, fundos que o Ministério dos Transportes publicou em seu site como tendo sido pagos às empresas do pai de Milei por mais de dois anos, mas que não aparecem nos balanços dessas empresas.

O que se sabe é que o pai do atual presidente montou outras empresas nos setores de transporte e agricultura. Ele também ajudou seus filhos. Karina Milei recebeu um apartamento de 150 metros quadrados em uma das áreas mais ricas de Vicente López, que ela rotulou como “herança” quando apresentou sua declaração juramentada ao Escritório Anticorrupção (OA). Essa “herança” corresponde a um adiantamento da herança de seu pai, de acordo com fontes com conhecimento do caso que puderam corroborar essa equipe.

Javier Milei comprou um Ford Ecosport 2.0 preto, modelo 2005, com o dinheiro de seu pai, disse para a reportagem uma fonte que interagiu com Milei na época. O agora presidente então vendeu essa van para comprar, com seu próprio dinheiro, um Peugeot RCZ coupé, que ele possui até hoje. A esse respeito, o presidente declarou que o carro foi comprado em 2013 com “seus próprios recursos”.

Quando questionado sobre o assunto, o porta-voz da presidência, Manuel Adorni, recebeu, mas não respondeu às perguntas enviadas por esta equipe de jornalistas. Uma fonte próxima ao presidente argentino limitou-se a dizer que “essas são coisas de 20 anos atrás, de terceiros, e os bens de Norberto Milei estão todos declarados como deveriam estar”.

Ajuda kirchnerista

Os subsídios ao transporte começaram durante a presidência de Eduardo Duhalde, logo após o fim da conversibilidade. Mas eles assumiram uma nova dimensão durante o governo do Presidente Néstor Kirchner e de seu Secretário de Transportes, Ricardo Jaime, que foi condenado pelos tribunais por corrupção e enriquecimento ilícito. Primeiro, foi criado o Sistema Integrado de Transporte Automotor (Sistau) e, desde 2006, o Régimen de Compensaciones Complementarias (RCC) previsto para as linhas 1 a 200 que circulam em Buenos Aires e sua conurbação.

Os subsídios oficiais não se esgotaram aí. O governo federal argentino também subsidiava cada litro de diesel consumido pelos ônibus, que pagavam menos de um terço do seu valor na bomba. A soma desses subsídios transformou o transporte de carros de passeio em uma custosa mochila para as contas públicas. Ricardo Jaime se tornou o “senhor dos subsídios” e, quando seu enriquecimento ilícito começou a ficar evidente, ele colocou a distribuição desses fundos sob investigação judicial.

A primeira menção de Beto” Milei sobre a importância da colaboração econômica do estado apareceu no Relatório Anual de 2003 do Teniente General Roca. O empresário chegou a pedir mais ajuda do Estado. “Não podemos deixar de mencionar o esforço que o governo nacional vem fazendo para aliviar essa situação emergencial de nossa atividade, evitando gerar um aumento de custos para a população usuária do serviço por meio da concessão de subsídios às empresas, mas é evidente que foi e é insuficiente”, disse ele naquele documento corporativo com sua assinatura.

A posição de Beto” Milei não poderia ser mais diferente daquela expressa por seu filho em várias ocasiões, como economista, candidato e também como presidente da Argentina. “Os subsídios nos custam quatro pontos do PIB (…)”, enfatizou o então candidato em uma entrevista. E afirmou que, se chegasse à Casa Rosada, eliminaria “todos eles”.

Os subsídios ajudaram muito suas empresas, mas elas também deixaram de pagar vários impostos e acumularam dívidas com a Administração Federal de Receitas Públicas (AFIP), a principal agência de arrecadação de impostos da Argentina, com a Anses, a agência que administra os fundos de seguridade social, e com a Agência de Receitas de Buenos Aires (ARBA), que mais tarde tentaram regularizar. Rocaraza, por exemplo, entrou com moratórias em 2005 para os impostos sobre a renda bruta e o imposto sobre o estabelecimento de veículos.

As dívidas acumuladas por essas empresas às vezes acabavam nos tribunais. Os tribunais argentinos condenaram a Teniente General Roca por sonegar impostos da ARBA em 2002 e 2003 por 35.000 dólares. E nos balanços, a empresa aparece atribuída a moratórias para Renda Bruta e Saúde e Segurança; ela também havia entrado em um plano de pagamento com a AFIP.

Norberto Milei não se saiu melhor como contribuinte individual. Ele acumulou pelo menos quatro execuções fiscais iniciadas pela AFIP no Tribunal Administrativo Federal em 2009, além de enfrentar outras vicissitudes semelhantes nos tribunais da província de Buenos Aires, de acordo com documentos judiciais compilados para esta investigação.

Milei fora; DOTA dentro

O fim de Norberto Milei no setor de transporte urbano de passageiros ocorreu em meados de 2007: ele entregou a presidência das empresas e suas ações passaram para pessoas e empresas ligadas ao Grupo DOTA, um gigante do transporte de passageiros na Argentina. Os balanços das empresas não informam por quanto o pai do presidente argentino vendeu suas ações; nem a família Milei nem a DOTA quiseram tornar essa informação pública quando solicitadas para este artigo.

Ao contrário de Javier Milei, que passou anos afastado de seus pais, Karina Milei manteve um relacionamento mais próximo com eles. De fato, a atual Secretária Geral da Presidência estava envolvida em vários dos investimentos de seu pai na época. Quando ele estava prestes a vender suas ações, sua filha incorporou, em março de 2007, a empresa Neumáticos Acassuso SA, cuja atividade declarada era a venda de pneus e serviços de lubrificação, uma atividade complementar ao setor em que seu pai havia trabalhado historicamente.

“Beto” Milei, por sua vez, começou a diversificar seus investimentos: continuou sua aposta no agronegócio com a empresa Campo La Ponderosa SA, criada em 2004 e ainda ativa (Karina Milei tornou-se diretora dessa empresa anos depois); criou em fevereiro de 2007, pouco antes de deixar os ônibus, a Buena Yunta SA, também dedicada à agricultura.

O último empreendimento foi no mercado imobiliário. Por um lado, ele fundou a construtora Graviar SRL em 2011, uma empresa cuja última atividade data oficialmente de 2017. “Beto” Milei expandiu seus negócios com investimentos nos Estados Unidos: ele criou a empresa Alkary Investments com sua esposa e filha Karina, uma firma que comprou quatro propriedades na Flórida por US$ 2,7 milhões, conforme publicado pelo La Nación, elDiarioAR e CLIP em maio passado.

Mais de uma década depois, o negócio de ônibus continuou em andamento e, mais uma vez, o nome Milei apareceu no meio. As ações que antes pertenciam a “Beto” Milei agora estão sob o controle dos irmãos Faija, proprietários da DOTA, considerados por fontes do setor como os homens fortes do transporte de passageiros. A DOTA não é apenas uma empresa de transporte: ela agora montou uma fábrica de chassis de ônibus que compete com a Mercedes Benz.

“O relacionamento com Milei terminou com a negociação para a venda, que terminou em 2007”, disse a DOTA, que ainda se lembra dele como uma pessoa “com muito caráter”.

Mas os caminhos se cruzaram novamente quando outro Milei chegou ao topo do poder. Dias depois que Javier Milei entrou na Casa Rosada, Ángel Faijá cruzou essa porta: em 27 de dezembro, ele visitou o então ministro da Infraestrutura, Guillermo Ferraro, em uma reunião em que discutiram a política de subsídios, de acordo com o Registro Único de Audiências. Houve mais piscadelas: as linhas de ônibus da DOTA foram as únicas que não aderiram à última greve geral da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT) devido às políticas de ajuste de Milei Jr.

Comunicar erro

Coment√°rios Comunicar erro

Jornalista Luciana Pombo

© 2024 Blog da Luciana Pombo é do Grupo Ventura Comunicação & Marketing Digital
Ajude financeiramente a mantermos nosso Portal independente. Doe qualquer quantia por PIX: 42.872.330/0001-17

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Jornalista Luciana Pombo
Acompanhantes GoianiaDeusas Do Luxo