Nome

E-Mail

20/11/2020 às 16h50min - Atualizada em 20/11/2020 às 18h20min

Pesquisa inédita revela como o racismo e a intolerância contra mulheres negras dominaram as redes sociais brasileiras

O estudo evidencia também o quanto é importante analisar, discutir e encontrar formas de combater o racismo à brasileira o qual, em diversas ocasões, também se camufla convenientemente por trás da máscara de 'brincadeirinhas'

DINO
https://vernonpress.com/book/861
Capa do Livro 'No Laughing Matter: Race Joking in Brazilian Social Media'

Com os diversos protestos Black Lives Matters em pleno andamento ao redor do mundo, após a trágica morte de George Floyd nos Estados Unidos, um estudo recente traz resultados surpreendentes, mostrando que o racismo continua profundamente arraigado na sociedade brasileira e, além disso, tomou conta das plataformas de redes sociais.

No livro intitulado ‘No Laughing Matter: Race Joking and Resistance in Brazilian Social Media’, Luiz Valério P. Trindade (doutor em sociologia pela University of Southampton na Inglaterra) examina as principais motivações ideológicas e o significado de piadas racistas nas redes sociais direcionadas sobretudo contra mulheres negras em ascensão social. Em uma tradução livre, o título seria ‘Não é tão engraçado assim: Piadas racistas e resistência nas redes sociais brasileiras’.

Trindade argumenta que "o humor depreciativo circulando nas redes sociais descortina ideologias coloniais ainda muito impregnadas na sociedade brasileira contemporânea". Estas ideologias, argumenta o autor, "mantêm e naturalizam uma série de privilégios simbólicos associados à branquitude enquanto deslegitimam a mobilidade social ascendente das mulheres negras".

As plataformas de redes sociais oferecem a essas pessoas um mecanismo poderoso para disseminarem discursos de ódio e atraírem inúmeros seguidores para se engajarem na disseminação dessa retórica racista. Além disso, "as redes sociais permitem que discursos racistas se espalhem ampla e instantaneamente no ambiente online e ecoem por até três anos após a publicação do post". A consequência deste fenômeno, diz Trindade, é a amplificação dos impactos negativos de tais discursos depreciativos na vida das vítimas.

Além disso, o livro destaca também as principais narrativas e estratégias discursivas antirracistas promovidas principalmente por mulheres negras nas redes sociais. Neste sentido, o autor afirma que "a crescente aceitação e valorização do cabelo afro parece representar um dos mais fortes símbolos de resistência e empoderamento utilizado por mulheres negras para desconstruírem ideologias preconceituosas". Isso porque, segundo Trindade, muito mais do que uma transição estética, este movimento carrega um forte simbolismo político por parte das mulheres negras, o qual lhes permite "se posicionarem mais firmemente na sociedade de classes e transmitir uma estética negra renovada e mais valorizada".

Este livro é resultado de seis anos de pesquisa sociológica e é de grande interesse não somente para estudantes, acadêmicos e pesquisadores de ciências sociais e humanas, mas igualmente para líderes de organizações não governamentais, defensores dos direitos humanos, legisladores e educadores.

Por enquanto, o livro está disponível somente em inglês. Contudo, Trindade acredita que "dada a relevância e contemporaneidade do tema abordado, é possível que no futuro próximo a obra possa despertar o interesse de editores brasileiros para trabalharmos em uma tradução".



Website: https://vernonpress.com/book/861
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar
(caracteres restantes: 500)

Onde você se informa todos os dias?

60.3%
5.2%
0%
1.7%
0%
5.2%
0%
5.2%
0%
1.7%
0%
1.7%
0%
17.2%
1.7%
Nome

E-Mail

Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp