brasil, dilma, dilma rousseff, direita, esquerda, golpe, heroina, história, impeachment, pai dos pobres, política

Voadora do Dia: Agosto de Dilma, de Getulio e de JK…

Eu não acredito em nada que não seja material e palpável. Mas os bons presidentes da República no Brasil costumam passar por momentos difíceis. Especialmente no mês de agosto…

… caso da presidente Dilma Rousseff (PT), que ao tentar moralizar o governo destruído por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teve que enfrentar toda a corja que se beneficiava da corrupção e acabou sendo execrada por aqueles que queriam um pouco a mais da fatia do bolo. Vamos pensar apenas em Petrobras. Ao pedir investigação rigorosa dentro da estatal, ela secou bolsos de corruptos do PT, do PSDB, do PP e do PMDB. Com isto, a pressão em torno dela se tornou insustentável e ela foi perdendo adesão exatamente do lado daqueles que manipulam há muitos e muitos anos a mídia brasileira: os fétidos políticos do PMDB – na versão mais sórdida que podemos imaginar, corrompido pela direita da qual se afastava na origem (nasceu para ser a esquerda brasileira, em contrapartida da Arena – carregada com a direita radical e com militares precursores do golpe de 1974).

Bem, não havia o que fazer. Dilma deixou o cargo como heroína, lutando até o fim, vencendo o achaque dos poderosos e tendo como consequência a perda do cargo. Não se acovardou como Jânio Quadros – que acabou renunciando, alegando pressão de forças ocultas. Nem foi impulsionada a fugir de sua própria história, suicidando-se para não compactuar com o crime. Dilma deu adeus ao cargo com a cabeça erguida. Típico da heroína que foi – do começo ao fim.

Oficialmente, o mandato da presidente foi cassado no dia 31 de agosto. Não houve corrupção contra ela. A cassação, ao contrário do que houve com Fernando Collor de Mello, foi pela emissão de decretos de suplementação orçamentária sem autorização do Congresso Nacional. Foi exatamente em agosto que outros dois ex-presidentes sofreram angústias no Brasil: Getúlio Vargas (1930-1945) e Juscelino Kubistchek (1951-1954).

Getúlio foi o presidente do chamado Estado Novo. Ficou conhecido como o “pai dos pobres” e fez um mandato extremamente populista. Inicialmente apoiado pela direita brasileira, Getúlio começou a sofrer acusações de corrupção e desagradava as elites brasileiras a procurar leis que fortaleciam a classe trabalhadora brasileira. Mas o atentado do major Rubens Florentino Vaz e do jornalista da oposição Carlos Lacerda, provocado pelo chefe da guarda pessoal de Vargas, tornaram insustentável o mandato do político do presidente. Ele foi pressionado a renunciar ao cargo – como Dilma foi – e no dia 24 de agosto de 1954 teria tirado sua vida para entrar para a história brasileira.

Já Juscelino Kubitschek, o presidente das indústrias nacionais, assumiu a presidência do Brasil em 1956 com uma proposta desenvolvimentista e o famoso slogan “50 anos em 5”. Ele foi o responsável pela construção de Brasília. Ele morreu no dia 22 de agosto de 1976, em um acidente de carro na Rodovia Presidente Dutra. Não era mais presidente, mas perdeu a vida batendo o carro contra um caminhão de gesso. Em 2013, a Comissão Municipal da Verdade Vladimir Herzog, em São Paulo, divulgou documentos que comprovaram que o incidente na verdade se tratou de um assassinato.


E lá se foi mais um capítulo do desenvolvimento brasileiro, atrasado pela direita retrógrada e embrenhado pela corrupção generalizada de praticamente todos os partidos brasileiros. Assassinaram um governo, empurraram ao Brasil um presidente com amarras políticas e nos afogaram – mais uma vez – num mar de caminhos tortos com a chancela de direita. 

About Luciana Pombo

Jornalista, teóloga, professora, amante do futebol, da poesia, da política, das coisas da vida! Com diversas premiações e moções parlamentares. Entre as principais premiações: Escritores da Liberdade, Top Master Estadual em Jornalismo, Fera Honorária (pela luta em prol da repressão ao uso de drogas e prevenção), Amiga da Criança, Dia do Radialista expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Dia da Mulher expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Diploma de Mérito Social.
View all posts by Luciana Pombo →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *