Rei dos Desmanches, como é conhecido Paulo Mandelli, é detido no RS

Um dos foragidos mais procurados nos últimos cinco anos pelas polícias paranaenses foi detido, ontem pela manhã, dentro da casa onde estava morando em Caxias do Sul (RS). O empresário Paulo Gilberto Pacheco Mandelli tinha cinco mandados de prisão decretados por corrupção, formação de quadrilha, receptação de veículos furtados e lavagem de dinheiro. Ele ficou conhecido como o ”Rei dos desmanches” no Paraná com a passagem da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Narcotráfico em março de 2000.

As principais lojas de autopeças de Mandelli foram fechadas e lacradas por decisão judicial. Veículos foram periciados. A origem de alguns deles era desconhecida. Depoimentos confirmavam que Mandelli pagava propina para que policiais e delegados de polícia fizessem vistas grossas e não fiscalizassem com rigor as lojas dos bairros Prado Velho e Uberaba. Nos canhotos dos cheques apreendidos durante a CPI do Narcotráfico, apareciam nomes de deputados estaduais, partidos políticos, delegados e prefeitos como tendo sido beneficiados financeiramente pelo empresário do ramo de autopeças. Segundo a polícia, seriam três lojas e dois barracões em Curitiba, uma loja em Foz do Iguaçu e outra em Santa Catarina.

No mês passado, o policial civil Samir Skandar que supostamente agia como testa-de-ferro de Mandelli em Santa Catarina no furto de caminhonetes foi preso em Curitiba pela Polícia Federal (PF), na operação batizada ”Tentáculos II”. Skandar é acusado de driblar a fiscalização policial para que os negócios de Mandelli em Santa Catarina prosperassem. As investigações sobre o paradeiro de Mandelli foram intensificadas há mais de um ano pela Polícia Federal e a Central de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Cisesp).

Além de Mandelli, foi preso o irmão dele Valdoir Pacheco Mandelli, em Balneário Camboriú (SC). Valdoir já foi condenado a cumprir 11 anos de prisão em regime fechado. Os dois foram trazidos a Curitiba em avião cedido pelo governo do Estado e chegaram na sede da PF por volta das 15h35.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *