Breaking News

Quadrilhas da venda falsa de imóvel no litoral são desarticuladas

A Polícia Civil cumpriu hoje oito mandados de prisão contra integrantes de duas quadrilhas suspeitas de aplicar o golpe da “falsa venda” de imóveis no Litoral do Estado. Os suspeitos utilizavam documentos falsos para enganar as vítimas e consumar as vendas. A primeira quadrilha seria comandada por uma transexual, de 48 anos, e o companheiro, de 48 anos; um corretor de imóveis, de 29 anos; um tabelião, de 83 anos; e uma funcionária do tabelionato, 52 anos.

Três integrantes passavam-se por proprietários e corretor de um imóvel localizado no Balneário Guaciara, em Matinhos. Eles criaram um anúncio ofertando a falsa propriedade em um site de compra e venda da internet, que atraiu as vítimas. As vítimas marcaram de concluir a compra e formalizar o contrato em um escritório, situado no bairro Flamingo, em Matinhos, que um dos suspeitos utilizava para atender pessoas que caíam no golpe. No local, a transsexual, passando-se por proprietária do imóvel, e as vítimas assinaram um Instrumento Particular de Compra e Venda. Diante do fato, todos deslocaram-se para um cartório localizado em Mandirituba, ao invés de um cartório de Matinhos, para realizar a parte burocrática da tramitação.

Ao serem questionados pelas vítimas da razão pela qual fariam a Escritura Pública de Compra e Venda em um cartório de Mandirituba e não de Matinhos, o suspeito respondeu que só faziam procedimentos ali, pois os servidores do local eram seus amigos e por isso teriam preferência no atendimento e ainda receberiam descontos especiais na documentação. Ao chegarem no local, o tabelião do cartório já estava aguardando a quadrilha para dar suporte na consumação do golpe, junto da escrevente juramentada, que lavrou a Escritura Pública de Compra e Venda do imóvel fraudulento.

O imóvel havia sido anunciado por R$ 80 mil. As vítimas deram um sinal de R$ 5 mil para a reserva do imóvel e pagaram R$ 25 mil em cheque no ato da assinatura do Instrumento Particular de Compra e Venda. Posteriormente, ao pesquisarem em registros públicos, perceberam que teriam sido vítimas de uma fraude e que o imóvel seria de propriedade de uma construtora. Foi aí que o caso foi levado à polícia em outubro de 2018.

A segunda quadrilha é composta por um homem, de 42 anos, e duas mulheres, de 27 e 35 anos. Essa associação criminosa é suspeita de vender terrenos e até uma fazenda utilizando documentos falsos em Matinhos, Litoral do Estado. Os suspeitos chegaram a vender uma única propriedade, localizada no Balneário Albatroz, para diversas pessoas ao mesmo tempo. As investigações apontam que as vítimas teriam pago valores entre R$ 1 mil e R$ 15 mil por cada lote, valores esses, pagos em dinheiro diretamente para ao líder da quadrilha ou depositado em contas bancárias uma das integrantes. Embora os fatos tivessem ocorrido entre os anos de 2015 e 2018, somente no ano passado as vítimas tiveram conhecimento de que caíram em um golpe. De acordo com as investigações esse golpe já conta com mais de dez vítimas e o prejuízo é de aproximadamente R$ 100 mil.

Luciana Pombo

Jornalista, teóloga, professora, amante do futebol, da poesia, da política, das coisas da vida! Com diversas premiações e moções parlamentares. Entre as principais premiações: Escritores da Liberdade, Top Master Estadual em Jornalismo, Fera Honorária (pela luta em prol da repressão ao uso de drogas e prevenção), Amiga da Criança, Dia do Radialista expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Dia da Mulher expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Diploma de Mérito Social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *