Procurador aponta suspeita de improbidade contra Bolsonaro

Apenas dois meses de governo e dezenas de denúncias. O procurador da República do Distrito Federal Carlos Henrique Martins Lima enviou à Procuradoria Geral da República (PGR) representações que apontam suspeita do crime de peculato (desvio de dinheiro público) e de improbidade administrativa contra o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL). A representação se baseia na suspeita de que Nathália Queiroz, ex-assessora parlamentar de Bolsonaro entre 2007 e 2016, período em que o presidente era deputado federal, tinha registro de frequência integral no gabinete da Câmara dos Deputados enquanto trabalhava em horário comercial como personal trainer no Rio de Janeiro. Lembra dessa história?

A possibilidade investigada é de que ela seria uma funcionária “fantasma”, ou seja, que recebesse salário mas não trabalhasse efetivamente. Nathália é filha de Fabrício Queiroz, ex-motorista e ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente. Coincidência apenas? Fabrício Queiroz é alvo do Ministério Público (MP) e é investigado por movimentação atípica de valores em conta corrente apontadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) nas contas dele e de Flávio.

Se a investigação virará ação? Não acredito. Não que o crime não exista. Simplesmente porque ele teria sido cometido antes dele exercer o cargo no qual está: o de presidente. No entanto, segundo o procurador, nada impede que o Presidente da República seja investigado e responsabilizado na esfera cível e, na esfera penal. A imunidade, segundo o procurador, restringe-se à ação penal e respectiva responsabilização por atos estranhos ao seu exercício, no curso do mandato.

4 thoughts on “Procurador aponta suspeita de improbidade contra Bolsonaro

  1. Não existe político que não seja corrupto, não tem como sobreviver na profissão, é uma coisa imutável e não tem como culpa-los por isso.
    A culpa é do sistema, as campanhas eleitorais precisam de dinheiro e retorno depois de eleitos, ninguém investe em uma coisa que não tem retorno.
    A gente tem que perder a mania de criticar, não adianta nada, tem sim que denunciar para amenizar o problema e não não acabar com o problema. Tem sim que mudar o sistema e vai ter que ter dinheiro público nas campanhas sim.
    Pare-se um absurdo gastar dinheiro público com campanhas, mas é necessário, só uns santinhos, gasolina para andar e gastos com internet seriam necessários.

    1. Ronaldo, prefiro acreditar que podemos mudar. Mas só podemos fazer quando a mentalidade da população mudar. Quando não acreditar numa arminha na mão do político, num vale gás ou não vender seu voto. Vai demorar muito ainda. Mas podemos chegar lá. Basta termos responsabilidade!

      1. Acho que tem que ter informação para mudar a mentalidade do povo, não se tem parâmetros para votar em deputados, podemos ver apenas nomes e votar em nomes não vai adiantar munto, como ter certeza que aquele candidato não vai ser corrupto ? com o sistema atual, teremos certeza apenas que ele vai roubar. Mas acho que se lutou tanto para a democracia, e vê-la assim da desanimo e não tem solução melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *