notícias, polícia, política

Noronha é exonerado, tem a prisão decretada e foge

Noronha é exonerado, foge para não depor à CPI e tem prisão decretada Delegado que chefiava a Polícia do Paraná pode estar em Miami e quando voltar deverá ser preso e expulso da corporação Carmem Murara e Rubens Burigo Neto De Curitiba A CPI do Narcotráfico encerrou as suas investigações em Curitiba sem ouvir o ex-delegado-geral da Polícia Civil do Paraná João Ricardo Képes Noronha, acusado de ser um dos cabeças do esquema das drogas no Estado. Noronha não atendeu à intimação da CPI. A Justiça decretou a prisão temporária de Noronha e do delegado do Centro de Operações Especiais (Cope), Mário Ramos, ontem, no início da noite. Às 23 horas, emissoras de rádio de Curitiba noticiavam a prisão do ex-delegado-geral em Foz do Iguaçu. A Polícia Federal disse que eram boatos. Em Foz, a reportagem percorreu delegacias e confirmou que Noronha não havia sido preso.

Antes de encaminhar o pedido de prisão de Noronha, pela manhã, o presidente da CPI, deputado Magno Malta (PTB-ES), pediu parecer ao Ministério Público. Noronha e Ramos foram indiciados por formação de quadrilha e tráfico de drogas. Noronha alegou motivos de saúde para não falar à CPI. A tomada de seu depoimento estava marcada para às 11 horas. O governo tentou demovê-lo. Sentindo-se pressionado, o governador Jaime Lerner (PFL) mandou exonerar Noronha e abrir procedimento administrativo para expulsá-lo da corporação. Noronha está no exterior, segundo informou ontem Luiz Alberto Machado Filho, um de seus advogados.

O ex-delegado alegou não ter sido intimado oficialmente e se propôs a prestar esclarecimentos, a partir do dia 13 de março, quando retornar. A viagem foi estratégica. Noronha tinha certeza que a CPI lhe daria ordem de prisão. Apesar de o governo bater na tecla de que fez de tudo para que depusesse, Noronha teve espaço para agir. Os advogados de Noronha tentam relaxar o pedido de prisão. A recusa de Noronha irritou os deputados da CPI. ‘‘É uma auto-condenação’’, classificou Heber Silva (PDT-RJ). ‘‘Que respeito tem esse homem com o povo do Paraná?’’, questionou Moroni Torgan (PFL-CE). Robson Tuma (PFL-SP) também fez coro aos ataques. ‘‘A atitude do Noronha envergonha o governo do Paraná e a Polícia’’, disse. Ele defendeu a demissão de Noronha.

Minutos depois veio a confirmação. Através do líder do governo, Valdir Rossoni (PTB), o Palácio comunicou a exoneração de Noronha. O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RJ) fez discurso contundente contra o secretário da Segurança, Cândido Martins de Oliveira. Segundo o deputado, a recusa de Noronha em depor é ‘‘prova que há um desmando na Segurança do Paraná’’. Mattos pediu a cabeça do secretário. Mas Malta tratou de restringir a solicitação ao colega de CPI. ‘‘Quem pediu isso foi o nobre deputado. Palavra mal falada não sai da boca deste presidente’’, minimizou. A Folha procurou o delegado do Cope, Mário Ramos, para repercutir o pedido de prisão, mas o telefone estava desligado às 19 horas. Pela manhã, antes da decisão judicial, Ramos alegou inocência. ‘‘Não quero falar mais nada. A confusão está muito grande’’, salientou.

Tagged , , , , , ,

About Luciana Pombo

Jornalista, teóloga, professora, amante do futebol, da poesia, da política, das coisas da vida! Com diversas premiações e moções parlamentares. Entre as principais premiações: Escritores da Liberdade, Top Master Estadual em Jornalismo, Fera Honorária (pela luta em prol da repressão ao uso de drogas e prevenção), Amiga da Criança, Dia do Radialista expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Dia da Mulher expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Diploma de Mérito Social.
View all posts by Luciana Pombo →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *