notícias, política

Homem forte de Bolsonaro promete reduzir Getúlio e suas conquistas trabalhistas

O Ministério do Trabalho, um dos alicerces trabalhistas do governo federal, será extinto no governo de Jair Bolsonaro (PSL). No entanto, o ministro da Economia, Paulo Guedes será o responsável pela Secretaria de Políticas Públicas de Emprego. Publicamente, ele já disse que irá criar a carteira de trabalho verde e amarela. Que de verde e amarela realmente só tem o nome.

De acordo com reportagem de quatro jornalistas da Folha de S.Paulo, a nova carteira, que existirá em concomitância com a atual, vai assegurar apenas direitos constitucionais, como férias remuneradas, 13º salário e FGTS. Mais do que isto. A Fazenda será a responsável, a partir de então, pela gerência do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) – que concentra programas como seguro-desemprego e abono salarial, e o Codefat (conselho do Fundo de Amparo ao Trabalhador). Para se ter uma ideia, o FAT tem um orçamento anual de mais de R$ 76 milhões.

Uma das metas do novo governo é radicalizar a reforma trabalhista e avançar na flexibilização dos contratos de trabalho, sob o argumento frágil e caquético de que o fim do engessamento tende a ampliar o número de vagas. Num primeiro momento é verdade. Mas a que preço? Para quem está no mercado do trabalho, o preço do desemprego. Entre o que será negociado entre trabalhador e empregador estariam direitos como férias, por exemplo, e horas trabalhadas.

Outro ponto bem nebuloso é a entrada do trabalhador para outro regime previdenciário: o de capitalização. Numa linguagem popular, isso significa na prática que a aposentadoria seria resultado do que o trabalhador conseguiu poupar ao longo da vida. Mas com tantas pessoas no SCPC por exemplo, alguém imagina que o trabalhador teria condições de poupar? Aos poucos, o sistema antigo trabalhista acabaria e a CLT seria extinta. Para os liberais, que não são da classe operária ou trabalhadora, os direitos atuais são conquistas de esquerda e que precisam acabar.

Na contramão das promessas vãs da turma de Bolsonaro, o chefe do Ministério Público (MP) do Trabalho, Ronaldo Fleury, critica o argumento da flexibilização para geração de empregos. “Isso não vai aumentar a empregabilidade ou reduzir a informalidade. Isso só vai tirar direitos”.

Bem, estamos no começo do fim. E o resto? É poeira!

Vale lembrar – A CLT foi criada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e sancionada pelo presidente Getúlio Vargas, durante o período do Estado Novo. … A intenção inicial foi criar a “Consolidação das Leis do Trabalho e da Previdência Social”.

Tagged , , , , , , ,

About Luciana Pombo

Jornalista, teóloga, professora, amante do futebol, da poesia, da política, das coisas da vida! Com diversas premiações e moções parlamentares. Entre as principais premiações: Escritores da Liberdade, Top Master Estadual em Jornalismo, Fera Honorária (pela luta em prol da repressão ao uso de drogas e prevenção), Amiga da Criança, Dia do Radialista expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Dia da Mulher expedido pela Câmara Municipal de Curitiba, Diploma de Mérito Social.
View all posts by Luciana Pombo →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *