Filme de Zeca Brito eterniza a Cadeia da Legalidade em filme

Eu escrevi um livro, Leonel Brizola fez a história. História que ganha novos contornos com a estreia internacional do filme “Legalidade: de Zeca Brito”. O filme será estrelado mundialmente no 35º Festival Latino de Chicago. “Em ‘Legalidade’ quis falar de meu país e das raízes políticas que ligam o Brasil à América Latina. A heroica façanha de Leonel Brizola liderando o povo brasileiro em ato de coragem e civismo, garantindo a posse do presidente João Goulart e a soberania da nação. Através das ondas do rádio o despertar para a constituição, o respeito ao voto popular. Um filme que trama ficção e realidade. Um romance que une visões opostas de mundo. Política, espionagem e comunicação, temas que articulam um dos momentos históricos mais intrigantes do país”, explicou o diretor Zeca Brito.

Os personagens que permeiam a história são fictícios. Mas a Cadeia da Legalidade existiu com toda força que conhecemos. Numa costura entre 1961 e 2004, ano da morte de Brizola, a jornalista Blanca faz uma investigação que é o fio condutor do filme. Em 1961, durante a Conferência das Nações Americanas, em Punta del Este, o antropólogo brasileiro Luís Carlos reencontra seu amigo e herói, o Comandante Ernesto Che Guevara. Já a misteriosa jornalista, Cecília, tem a difícil tarefa de entrevistar o polêmico governador gaúcho, Leonel Brizola.

Brizola e Che Guevara convergem em torno das mesmas causas: ideais de cunho social e a libertação da América Latina da opressão econômica e política dos Estados Unidos, atraindo assim a ira das forças conservadoras. Isso não parece tão popular para todos nós que vivemos anos de Conservadorismo e de absoluta servidão aos Estados Unidos? Paralelamente ao universo de tensão política que se instaura, Luís Carlos e Cecília vivem uma intensa história de amor interrompida pelo destino.

Pouco tempo depois, no Brasil, o presidente Jânio Quadros renuncia repentinamente. Enquanto seu vice, João Goulart, está em viagem pela China comunista, o governador Brizola se recusa a aceitar a tomada do poder pelos militares e decide resistir para que seja respeitada a Constituição. Dois irmãos vivem intensamente os dias de crise na República: o jovem anarquista Tonho, que trabalha como fotógrafo, e Luís Carlos, professor. Cecília também está em Porto Alegre, para continuar sua reportagem, quando o levante se inicia e logo conhece Tonho.

O roteiro do filme começou a ser desenvolvido em 2010 e contou com uma extensa pesquisa. Legalidade é o sexto longa de Zeca Brito e foi inteiramente rodado no estado do Rio Grande do Sul. Legalidade tem estreia prevista nos cinemas brasileiros para 12 de setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *