Enfim, Michel Temer é preso

O ex-presidente da República, Michel Temer, foi preso em São Paulo pela força-tarefa da Lava Jato do Rio de Janeiro. Os agentes também prenderam o ex-ministro Moreira Franco no Rio e o coronel João Baptista Lima Filho, amigo de Temer. Este é o segundo presidente do Brasil que deixou o cargo para ser investigado e preso.

A prisão é decorrente da investigação sobre às obras da usina nuclear de Angra 3. O Ministério Público (MP) federal sustenta que o consórcio responsável pela obra pagou propina ao grupo de Temer. Uma reforma no imóvel da filha de Temer, Maristela, teria sido usada para disfarçar o pagamento de propina. No pedido de prisão, o juiz Marcelo Bretas argumenta que Temer é “líder da organização criminosa” e “responsável por atos de corrupção”.

Prisão – Michel Temer foi abordado por policiais federais na rua, em São Paulo. Ele foi levado para o Aeroporto de Guarulhos e deve ficar na unidade da Polícia Militar de Niterói, na região metropolitana do Rio. A prisão de Temer é preventiva, ou seja, sem prazo determinado.

Outros investigados – João Batista Lima Filho (coronel Lima), amigo de Temer e dono da Argeplan – preso; Wellington Moreira Franco, ex-ministro do governo Temer – preso; Maria Rita Fratezi, arquiteta e mulher do coronel Lima – presa; Carlos Alberto Costa, sócio do coronel Lima na Argeplan – preso; Carlos Alberto Costa Filho, diretor da Argeplan e filho de Carlos Alberto Costa; Vanderlei de Natale, sócio da Construbase; Carlos Alberto Montenegro Gallo, administrador da empresa CG IMPEX; Rodrigo Castro Alves Neves, responsável pela Alumi Publicidades; Carlos Jorge Zimmermann, representante da empresa finlandesa-sueca AF Consult – preso.

Preventivas – Na sentença, o juiz Marcelo Bretas disse que as prisões preventivas são necessárias para garantir a ordem pública. Segundo ele, “uma simples ligação telefônica ou uma mensagem instantânea pela internet são suficientes para permitir a ocultação de grandes somas de dinheiro, como parece ter sido o caso”.

Mandados de busca – Agentes também cumpriram 26 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Paraná e no Distrito Federal.

Propina – Temer é um dos alvos da Lava Jato do Rio. A prisão teve como base a delação de José Antunes Sobrinho, dono da Engevix. O empresário disse à Polícia Federal que pagou R$ 1 milhão em propina, a pedido do coronel João Baptista Lima Filho (amigo de Temer), do ex-ministro Moreira Franco e com o conhecimento do presidente Michel Temer. A Engevix fechou um contrato em um projeto da usina de Angra 3. A força-tarefa da Lava Jato diz que a propina foi paga no final de 2014 com transferências totalizando R$ 1 milhão da empresa Alumi Publicidades para a empresa PDA Projeto e Direção Arquitetônica, controlada pelo coronel Lima.

Bem vindo – Michel Temer responde a nove inquéritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *